19/10/2012

Foi tudo o que esperávamos. E precisávamos...

Era a bola mais cantada da liga nessa semana. Todo mundo que acompanha a NFL sabia que o duelo entre San Francisco 49ers e Seattle Seahawks seria uma batalha defensiva e física, com baixa pontuação e decidida nos detalhes.

As duas defesas, que estão entre as melhores da NFL, apareceram e muito. Enquanto aos ataques restaram as sobras. Um segundo tempo monstruoso da nossa defesa- possivelmente maximizado pelo cansaço dos jogadores do Seattle após a semana curta- nos garantiu a vitória apertada. Porém, muito importante! Considerando o quadro geral, vamos para Arizona no próximo jogo comandando a divisão e com moral, o que pode ajudar a encaminhar o caminho para os playoffs. Agora, se pensarmos no desempenho geral do time, ainda há sérias dúvidas se na pós-temporada o Niners fará frente às melhores forças da NFC. Vamos a um breve resumo.

- No aspecto defensivo, o jogo teve dois tempos distintos. No primeiro, nossa defesa foi dominada pelo jogo corrido e a secundária algumas vezes envolvida pelo ataque do Seattle. O pass rush também parecia não se aproximar de Russel Wilson. Graças à incompetência de Seattle, fomos para o halftime perdendo apenas por três pontos e com o jogo ainda à mão.
No segundo tempo, a defesa veio com nova atitude e se ajustou totalmente ao adversário. Não cedeu mais nenhum ponto, poucas jardas terrestres e anulou completamente o QB e os recebedores adversários. De forma dominante, assim como fez em 2011, trouxe a vitória para casa em um dia em que o ataque não existiu. Destaques para a interceptação de Dashon Goldson (com a colaboração de Navorro Bowman, que atingiu Russel Wilson durante o lançamento), um sack em hora fundamental de Aldon Smith e a costumeira onipresença de Patrick Willis em todo o campo (se tivéssemos 11 jogadores como ele, provavelmente a NFL colocaria o Niners de bye nas 17 semanas e pediria apenas para jogar o Super Bowl direto).

- Pela segunda semana seguida, Alex Smith teve um desempenho pífio. Parece ter perdido a confiança após as interceptações contra o Giants. No começo, arriscou alguns passes longos, mas, claramente temendo interceptações. lançou a vários metros dos recebedores. Ao receber pressão da linha defensiva do Seattle, parecia indeciso e aflito no pocket, sempre adotando a pior rota ao tentar scrambles. Já a interceptação na redzone foi um exemplo do mau Alex Smith que tanto nos fez sofrer. Um passe na hora errada (segundos antes, Randy Moss estava livre), no meio do tráfego e baixo. É fato que a boa secundária do Seattle também não ajudou, marcando firme nossos recebedores. Mas, não há como fecharmos os olhos para a realidade que o Alex Smith dos dois últimos jogos não é o mesmo de 2011. Se a questão é confiança, o mago Jim Harbaugh tem 10 dias para trabalhar nisso. Pessoalmente, acho que Alex Smith atingiu seu teto e 2013 será a hora de darmos a chance ao amadurecido Colin Kaepernick!

- O que dizer de Frank Gore sem ser óbvio? Mais de 180 jardas de scrimmage e média de 8,2 jardas por corrida. Um jogo simplesmente carregado nas costas! Gore já se consolidou na história do Niners e a cada dia mostra o quanto é essencial para o time. Confesso que a cada tackle que ele leva, cada vez que sai de campo devagar, sinto um frio na barriga temendo que tenha sofrido qualquer contusão.

- Continua a dificuldade nas terceiras descidas e a secundária do Seattle levou ampla vantagem sobre os nossos recebedores. Lembrando que nossos dois primeiros picks no draft (o WR AJ Jenkings e o RB LaMichael James) continuam apenas como testemunhas das partidas, assim como o RB Brandon Jacobs, só nos resta torcer para que tudo isso faça algum sentido no futuro...

Agora, os jogadores e nós, que sofremos tanto nesse jogo, teremos 10 dias de descanso até o próximo jogo, contra o Arizona Cardinals, no Monday Night Football de 29/10 (a partir das 22h30, ao vivo na ESPN). Até lá com o conforto da liderança da divisão e a possibilidade do genial Jim Harbaugh azeitar ainda mais o time. A NFC West está muito mais dura. Porém, ainda está à nossa disposição!

PS. Nesse domingo, sou Minnesota Vikings desde criança. Só não me peçam para usar chifres...rs....

8 comentários:

juce disse...

Tenho duas coisas a declarar...........primeiro q ñ aguento + ver essa anta em forma de QB vestir esse "manto sagrado", q um dia ja teve Montana e Young, q por sinal é por isso q sou torcedor ferrenho dos 49ers,e ficar fazendo um monte de mer.......... apenas dando passes de 5 yds ou deixando q os RB salvem sua pele e carregando as campanhas ofensivas da equipe!A única vez q qdo precisavamos dele pra virar uma partida e ele realmente apareceu foi no jogo contra os Saints, na qual parecia outro QB encarnando o #11.
Fico imaginando se tivessemos a sorte ou competencia, sei la, de ter um dos 5 Top QB da liga, o estrago q poderiamos fazer.......a Dinastia q poderíamos criar, visto q nosso elenco é um dos melhores senão o melhor da NFL, excetuando claro a posiçao fundamental pro sucesso ou fracasso de uma equipe, o famoso QB!!!!!!!

Segundo.......qro + uma vez enaltecer o exelente trabalho q o Nilton está fazendo no Blog e motivá-lo para q continue com esse nosso ponto de encontro, onde podemos debater sobre nossa paixão em vermelho e dourado

Olha Niltão, dizem q todo mundo pelo menos uma vez na vida usa chifres .............ou no passado ou no presente ou no futuro!!!!!!!!!!!!!rsrsrs

Anônimo disse...

Temos de ressaltar o excelente trabalo de nossa linha ofensiva que abriu avenidas pro gore correr, jogo decidido nos detalhes e o que importa e que temos a liderança da divisao acho que pegaremos o john skelton como titular no cardinals porque o kolb fudeu as costelas..rsss sera um MNF de poucos pontos haja vista a defesa dos cardinals ser excelente

Alessandro

paulo disse...

E visivel a inseguranca de Alex Smith no pocket, dificil imaginar uma postseason, apenas com o jogo corrido...
Infelizmente temos um QB sem nenhuma confianca em seu braco.

Igor Mello disse...

Quero aqui começar o movimento Colin Kaepernick titular!

Nilton Sergio disse...

Acabou mesmo o "rabo" do Arizona. É field goal perdido, interceptação do medíocre Skelton... a macumba no deserto perdeu o efeito.
Agora, nossa disputa mesmo na divisão é contra o Seattle!

juce disse...

Depois de uma semana onde tudo deu errado, nessa ñ temos doq reclamar!Fomos a unica equipe da divisão a vencer e tomamos a liderança de maneira isolada........porem tem muita água pra rolar debaixo dessa ponte e uma vitória contra os Cards no deserto será um grande passo rumo aos Offs

Como fica fácil vencer partidas qdo se tem um Rodgers ou Manning de QB!!

Roberto Gherardini disse...

Acho que seria uma insanidade trocar de QB no meio da temporada. Acho que o A. Smith tem que fazer isso mesmo: passes curtos e deixar os RBs carregarem o time na costas. Ao contrário do Nilton (que realmente realiza um excelente trabalho com o Blog), não fico mais tão preocupado com uma eventual contusão do Gore (lógico que eu não quero que isso aconteça), mas não seria tão desastroso assim. Aliás, no time titular, ninguém é imprescindível. Até o P.Willis tem substitutos à altura. Gostaria de ver o Niners jogando com mais de um RB em campo. Temos tantos: Gore, Hunter, Dixon, Jacobs, Cartwright e até o rookie LaMichael James. Com relação ao Arizona, tenho uma certa preocupação com relação aos FGs, pois em um dos jogos do ano passado, tivemos dois ou três bloqueados. Presta atenção no serviço Akers !!!

Nilton Sergio disse...

Roberto, valeu pela força! Só para esclarecer, antes do início da temporada o Cartwright foi dispensado do time (acabou sendo preterido em favor do Dixon, porque o mesmo se ofereceu para também atuar como fullback).
Não discordo de você. Também gostaria de ver o time rotacionando mais os RB´s, principalmente para manter a saúde do Gore no longo prazo.
E, apesar de achar o Alex Smith um péssimo jogador, também não vejo motivo para troca no meio da temporada. Acho que o momento de colocar o CK de titular é a partir de 2013, após uma offseason completa treinando com o primeiro time para dominar o playbook.