12/12/2007

Mike Nolan e Alex Smith: como chegaram até aqui? - Parte 1

Nessa primeira parte vou me limitar a citar os fatos. Como sempre gosto de lembrar, sou apenas um torcedor bastante dedicado. Nunca fui à São Francisco. Não tenho acesso ao vestiário. Tudo o que eu sei vêm da imprensa. Eu apenas leio e tento ver o que está nas entrelinhas, já que o ramo dos esportes coletivos profissionais é um ramo onde as pessoas quase nunca falam as coisas claramente. Você tem que ler ou ouvi-las e tentar interpretá-las. Farei isso na segunda parte. Por enquanto fiquem apenas com os fatos.


Matt Maiocco escreveu ontem que pela primeira vez ele cogita a possibilidade de Mike Nolan não ser o treinador do 49ers na próxima temporada. Não tem como discordar dele. Enquanto HC da NFL, você pode fazer muitas coisas. Mas brigar com seu QB titular não costuma estar entre elas.

Desde 2005, quando Smith foi selecionado por Nolan com a 1ª escolha do draft daquele ano, que a imprensa de São Francisco usa uma expressão para se referir a situação de ambos: “joined at their hips”, ou seja, um vai aonde o outro for. Eles vencerão juntos ou fracassarão juntos. Aparentemente, Nolan começou a procurar um jeito de se separar de seu QB. Então, para aqueles que ou chegaram agora, ou não acompanharam todo o desenrolar da situação, aqui vai um resumo:

No dia 30 de setembro deste ano, na terceira jogada da partida daquela tarde, o DT do Seattle Seahawks, Rocky Bernard passou por entre Eric Heitmann e Larry Allen para em seguida mergulhar sobre Alex Smith, separando o ombro do QB. O que Bernard não sabia é que, além do ombro, ele pode ter separado para sempre o QB e seu treinador.

Houve então um grande ansiedade enquanto se aguardava o resultado dos exames, que acabaram por acusar uma separação de Grau III. Não foram poucoas as pessoas na mídia que disseram que, para uma lesão desse nível, o tempo de resuperação costuma ser de 6 a 8 semanas. Smith então, ficou de fora da partida contra o Ravens (a semana seguinte foi a BYE Week). Contudo, para a surpresa de todos, Smith voltou a treinar na semana seguinte à BYE e ao que parece, tinha 50% de chances de começar o jogo. Mais uma vez, isso 2 semanas depois da lesão. E aqui aconteceu a primeira faísca.

Na quinta-feira daquela semana, Nolan anuncia Trent Dilfer como titular. O motivo? Alex Smith estaria sem “confiança”. Muitos interpretaram essa declaração como uma alfinetada em Smith e em sua coragem. Depois disso, ele não iria admitir ficar fora de mais outro jogo.

A jogo da semana seguinte era contra o Saints e Smith se declara pronto, para alegria dos torcedores então traumatizados depois de assistir 3 performances de Trent Dilfer seguidas. No entanto, o jovem QB não se sai muito melhor que seu mentor. Smith toma algumas pancadas logo no início da partida e começa a levar a mão ao ombro após cada passe. Os comentaristas da FOX passam a implorar para que Nolan tire o QB do jogo. Nolan não o faz. A performance de Smith continua sofrível. Seu ombro está solto e friccionando contra a clavícula. Os médicos o atendem na lateral do campo e simplesmente “amarram” o ombro do QB para pelo menos aliviar a dor. Smith está sob efeito de anestésicos. O 49ers perde e Smith não tem boa performance.

Tem-se início aquilo que iria irritar profundamente Smith: na coletiva de imprensa, Nolan afirma que não há nada de errado com o ombro do QB e que não irá dar desculpas para a atuaçào de Smith. Seria assim em todas as coletivas seguintes.

Após mais uma partida sofrível contra o Falcons, onde Smith deixou de fazer pelo menos 2 TDs ao lançar a bola por cima de recebedores completamente livres, chega o momento capital: o Monday Night contra o Seahawks.

Smith estaria sob os holofotes nacionais, na partida que selaria a temporada do 49ers. Mais uma vez, Smith não consegue jogar bem. Pior que isso, ele é duramente criticado, com direito a Ron Jaworski apontando falhas em seus fundamentos e ridicularizando o processo de avaliação de QBs. Steve Young, amigo de Alex, também não sai em sua defesa.

Mais uma vez, Mike Nolan afirma que tudo está bem com seu QB. O colunista Tim Kawakami alerta: Smith está em processo de fritura e ele terá de fazer alguma coisa. E ele faz.

Smith vai até a imprensa e diz o óbvio: seu ombro não está completamente sarado. Na verdade, ele está piorando. E não é só isso: seu antebraço também está lesionado, resultado do esforço excessivo para compensar o ombro. Com isso, Smith coloca Nolan em maus lençóis e o HC do 49ers só piora sua própria situação.

Nolan debocha da lesão de Smith dizendo: “O ombro dele está inflamado. Todos estão inflamados nessa época do ano. Eu mesmo estou com varais inflamações. Isso está afetando minha performance? Não.”

O que se seguiu foi uma sucessão de indiretas ditas por Nolan tendo como alvo seu QB. Por exemplo, Nolan disse que a sofrível performance de Dilfer contra o Rams (1 semana depois de Smith ter vindo a público) foi a melhor de um QB sob seu comando. Nolan não se cansa de dizer que Dilfer é “um guerreiro que dá sempre 100% de si em tudo que faz”.

Se não é nada bom um HC brigar com seu QB, fazê-lo por meio de indiretas é pior ainda.

A história se arrastou até anteontem, quando Smith deu uma entrevista bombástica, acusando Nolan de jogar os demais jogadores contra ele e de abafar a gravidade sua lesão. A mesma reportagem diz que vários jogadores (e até um treinador assistente) estão contra Smith, inclusive usando apelidos nada elogiosos.

Nolan deu uma entrevista ontem à rádio KNBR na qual tenta colocar panos quentes. Diz que Smith estava apenas frustrado e que ele continua sendo seu QB. Ao final da tarde, os 2 voltaram a falar com a imprensa dizendo mais ou menos a mesma coisa e tentando apaziguar os ânimos.

Porém, o estrago já está feito. Se é irreversível ou não só o tempo dirá. continua

4 comentários:

ricardo disse...

Estranho é os outros jogadores estarem contra o Smith.

Bruno disse...

Perfeito.

Kado disse...

Pois é... os jogadores contra ele é realmente meio estranho.

E obrigado por tudo Gabriel, acho que todo mundo que acompanha o blog devia te agradecer pelo tempo e pela qualidade das informações que a gente le aqui. Realmente, muito obrigado ;)

Gabriel Mury disse...

Kado, sou eu que agradeço. Eu não conseguiria manter o blog se ninguém comentasse, ficaria muito chato.

Quanto a situação do Smith no vestiário, eu comentar isso no próximo post, pois o Kevin Lynch de uma informação que ninguém havia dado ainda.